Notícias

Projetos viáveis

Por Horst Kissmann
Fotos RJ Castilho

João Barbosa, da João Teodósio Matos Barbosa & Filhos
Espumante português
A produção de um espumante português 100% Pinot Noir na região de Rio Maior, no Tejo, tem arrancado elogios dos críticos e a comparação com um bom champanhe é inevitável. Trata-se do Ninfa, que custa 140 reais. João Barbosa, da João Teodósio Matos Barbosa & Filhos, autor dessa façanha, explica melhor seu projeto.

Prazeres da Mesa – Elaborar um espumante de qualidade superior e colocá-lo no mercado internacional é viável economicamente tendo o estigma português?
João Barbosa – Se fossem 3 milhões de garrafas, não funcionaria, mas com apenas 3.000 garrafas funciona. Em um mundo global, as pessoas buscam o diferencial que não tem a ver com o status, mas com o conhecimento.

Continua após o anúncio

Com muitas vinícolas sendo vendidas, a tradição não se tem perdido em Portugal?
Realmente, isso já não é mais como era, mas procuramos ter ética. O que me aborrece é o não reconhecimento de um pequeno produtor versus um grande produtor. Por isso, precisamos de consumidores esclarecidos que conheçam o que bebem. Por essa razão, ainda existem muitos enólogos trabalhando com paixão em seus produtos artesanais. branco uruguaio Muitos conhecem os tintos uruguaios produzidos com a Tannat, mas também vale conhecer um pouco dos brancos que são feitos por lá. Caso do Marsanne Reserva 2009, uma variedade originada da Côtes du Rhône, na França, domada pelo enólogo Reinaldo De Lucca, da De Lucca Wines from El Colorado, que garante esse branco encorpado, com notas aromáticas de frutas bem maduras, como nêspera e damasco, além de uma nota acentuada de mel. Casa bem com queijo gorgonzola e pato com molho de laranja. Custa 54 reais.

Reinaldo De Lucca, da De Lucca Wines from El Colorado
Prazeres da Mesa – Quais são os melhores cortes com a Tannat?
Reinaldo De Lucca – A casta do Uruguai combina bem com a Merlot na mesma proporção ou ocupando um pouco mais da metade do corte. A Cabernet Franc também é outra boa pedida, mas nesse caso para vinhos mais longevos com potencial para envelhecimento. Há mais de 15 anos, fui o primeiro a misturar Tannat com Syrah, uma combinação que necessita de estágio em barrica, além de maturar na garrafa.   Ambos os rótulos são representados com exclusividade pela Premium Wines, uma das  empresas pioneiras na importação dos vinhos da Nova Zelândia e que hoje conta com rótulos das mais diferentes regiões vitivinícolas, tanto do Novo como do Velho Mundo. A operação tem escritórios em Belo Horizonte, Minas Gerais e São Paulo, capital; premiumwines.com.br

Mostrar mais

Prazeres da Mesa

Lançada em 2003, a proposta da revista é saciar o apetite de todos os leitores que gostam de cozinhar, viajar e conhecer os segredos dos bons vinhos e de outras bebidas antecipando tendências e mostrando as novidades desse delicioso universo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo